Ensino Fundamental
Brincadeiras
   Boliche
Organizado por: Maria Ignez Diniz
Idade recomendada: Recomendado para crianças a partir de 6 anos até a 2a série do Ensino Fundamental
Conteúdo: Números, noções das operações de adição e multiplicação.
Competências e habilidades: Reconhecimento de algarismos, leitura e escrita de números, contagem e comparação de quantidades. Resolução de situações problema. Avaliação de força e distância.
Material: 10 garrafas e uma bola para cada grupo de 4 a 8 alunos. As garrafas podem ser feitas a partir de vasilhames de refrigerantes e a bola pode ser de borracha ou feita com meias velhas.
O jogo:

Jogar boliche é para as crianças uma atividade muito motivadora. Além da organização necessária, desde a formação das equipes, das garrafas e para a marcação de pontos, a criança é estimulada em sua inteligência corporal na medida em que precisa controlar movimentos de pernas e braços, adequar a força do arremesso da bola e perceber distâncias entre ela e as garrafas e entre as garrafas.

No entanto, o que pode ser enfatizado através deste jogo é a contagem e as noções das operações.
Na primeira série, isso pode ser feito pedindo-se às crianças que encontrem uma forma de saber quantas garrafas derrubaram. Para isso elas deverão ter à mão palitos, tampinhas, cartões com números escritos em algarismos, papel branco e canetas, ..., e podem escolher como desejam fazer a marcação de seus pontos. Em sala de aula o professor estimula o registro, seja em grupos ou numa tabela coletiva. Este registro pode ser feito colando-se os palitos ou tampinhas ao lado do nome de cada criança e para as crianças que já reconhecem os algarismo, com a escrita convencional, obtendo-se algo semelhante a:
André | | | | 4
Mariana | | | | | | | 7
Pedro | | | | | | 6

A partir daí o professor pode propor oralmente uma série de problemas:

  • Quem derrubou mais garrafas?
  • Quantas garrafas o Pedro derrubou a mais que o André?
  • O que acontece se o André derrubar mais 3 garrafas?

Esta pode ser a oportunidade do professor mostrar aos alunos os sinais convencionais das operações:

1ª jogada 2ª jogada Total de pontos
André     | | | |    4 | | | | | | |    7 11=4+7

 

À medida que as crianças se familiarizam com o jogo e a marcação de pontos, podemos propor que elas passem a jogar por equipe de 4 a 8 alunos. Escolher as equipes e nomes para elas é uma atividade muito motivadora e que permite que as crianças trabalhem com números maiores, uma vez que a pontuação da equipe é a soma das garrafas derrubadas por seus integrantes. O registro numérico passa a ser mais valorizado e se desenvolvem formas pessoais para adicionar quantidades que envolvem números maiores que 10.
No final da primeira série ou na segunda série, este jogo pode contribuir para o desenvolvimento da noção de multiplicação e organização das tabuadas. A cada dia de jogo o professor estabelece o valor de cada garrafa derrubada, por exemplo, cada garrafa derrubada vale 4 pontos. Após o jogo e a contagem dos pontos individuais ou por equipe pode ser feita uma tabela semelhante a

1 garrafa 4 4 1x4=4
2 garrafas 8 4 + 4 2x4=8
3 garrafas 12 4 + 4 + 4 3x4=12
4 garrafas 16 4 + 4 + 4 + 4 4x4=16
5 garrafas 20 4 + 4 + 4 + 4 + 4 5x4=4
6 garrafas 24 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 6x4=8
7 garrafas 28 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 7x4=12
8 garrafas 32 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 8x4=16
9 garrafas 36 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 9x4=4
10 garrafas 40 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 + 4 10x4=8
  Em outras aulas as garrafas podem receber outra numeração e assim serem introduzidas as demais tabuadas enquanto a noção de multiplicação fica relacionada à adição de parcelas iguais.
Que tal experimentar essa estratégia de trabalho lúdica e desafiante com seus alunos?
Dicas para iniciar a
brincadeira pela primeira vez:

Faça uma roda com os alunos e pergunte a eles:

  • Quem conhece o jogo de boliche?
  • Como se joga boliche?
  • Como podemos organizar essa brincadeira?
  • Como se decide quem joga primeiro?

Após levantar o que os alunos sabem sobre esse jogo, o professor pode deixar que os alunos organizem o espaço, decidam como arrumar as garrafas e como garantir que todos lancem a bola da mesma distância até as garrafas. Cada impasse deve ser devolvido aos alunos na forma de problematização para que eles assumam a responsabilidade pelas possíveis soluções.

É importante que os alunos tenham várias oportunidades para jogar de modo a vencer as dificuldades encontradas e para que possam refletir sobre as quantidades e registros feitos.

 Para saber mais:

Brincar: crescer e aprender
Adriana Friedmann,
editora Moderna, 1996

Brincadeiras infantis nas aulas de matemática
Kátia Stocco Smole, Maria Ignez Diniz e Patrícia Cândido,
editora Artmed, 2001